Palace Hotel - Caxambu

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Cartas Anônimas (II) - O mais grave é ver o povo aplaudir...

A repercussão da tal carta anônima que circulou há poucos dias ainda é o assunto do momento na cidade. Alguns procuram desesperadamente por uma cópia da cópia da cópia do vizinho, enquanto outros comentam sobre o que viram, e também o que ouviram falar sobre as barbaridades contidas na famosa carta.
Como sempre acontece nestas situações, surgem versões ampliadas e desbaratadas em cada esquina, sugerindo novos desdobramentos surpreendentes, envolvendo palpites quanto a suposta autoria da carta, inclusive com a existência de "provas contundentes" que levariam de forma inequívoca à identificação do autor.
Não é a primeira vez que cartas assim aparecem em Caxambu, dividindo automaticamente as opiniões entre aqueles que são prós e os outros que são contra - dependendo da orientação política de cada um para discutir e defender apaixonadamente seus pontos de vista.
Prefiro ficar do lado daqueles que defendem o bom senso, condenando veementemente o anonimato como uma forma espúria para lançar calúnias e difamações contra quem quer que seja.
Lamentavelmente, tenho observado diversas manifestações de aprovação às denúncias e acusações contidas na tal carta, embora todos condenem os métodos e a forma empregados para sua divulgação.
Isso me faz pensar que há algo estranho acontecendo em Caxambu, como se estivesse em curso um processo de "fritura" da atual administração - fazendo lembrar o clima de tensão que havia na cidade antes da cassação do então prefeito Jayminho. Vale recordar que o município perdeu muito depois daquele episódio, e que o prefeito cassado conseguiu provar na justiça a sua inocência e recuperar seu mandato, faltando pouco mais de um mês para encerrar aquela administração. Coincidência ou não, desde aquela época a economia de Caxambu nunca mais recuperou sua vitalidade, mergulhando em uma crise que perdura até hoje.
Tudo isso me fez pensar sobre as semelhanças que poderiam existir entre pessoas e épocas tão diferentes quanto o ex-prefeito Jayninho e o atual prefeito Dr. Luiz Carlos: ambos se elegeram sem pertencer às duas correntes que tradicionalmente se alternam no poder em Caxambu, carecendo de sustentação político-partidária para garantir equilíbrio e estabilidade em suas administrações.
Por outro lado, é preciso ver que além das urnas, o povo possui poucas oportunidades para manifestar sua insatisfação. Quando uma parcela significativa da população apoia atitudes insensatas, como o caso da recente carta anônima, tal tendência deveria funcionar como um sinal de alerta para a correção de erros e adoção de posturas capazes de modificar tal situação, pois esta insatisfação pode ser facilmente manobrada por forças mais interessadas em promover a instabilidade do que para trabalhar efetivamente pelos legiítimos interesses da população.

Fernando Victor

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Lançamento do Selo comemorativo de 200 anos de batismo de Nhá Chica

As comemorações dos 200 anos do Batismo da Serva de Deus Francisca de Paula de Jesus, Nhá Chica, incluem o lançamento de um selo personalizado, que será acompanhado de um carimbo comemorativo.
Ambos estarão disponíveis para colecionadores, mas também poderão ser usados em agências dos Correios. A cerimônia de lançamento está marcada para sexta-feira, 26, às 14h, na sede da Associação Beneficente Nhá Chica (ABNC).
Para o lançamento do selo personalizado, estarão presentes diversas autoridades civis e eclesiásticas, entre bispos, padres, ministros, deputados, secretários de Estado, além de prefeitos e vereadores de toda a região, bem como os benfeitores e colaboradores da ABNC. Também participarão do evento as crianças do Coral Nhá Chica.
Após o lançamento do selo, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (EBCT) poderá também lançar o mesmo selo como comemorativo e distribuí-lo em todo o país.
"O carimbo comemorativo será usado por trinta dias na agência dos Correios de Baependi (MG), em todas as correspondências enviadas. Depois ficará por três meses no Rio de Janeiro, para uso de filatelistas de todo o Brasil", destaca a gerente da agência dos Correios em Baependi, Sandra Rosental.
O lançamento de peças filatélicas comemorativas e personalizadas é tradição no mundo todo e no Brasil, sendo voltada para divulgar instituições e/ou pessoas que tenham relevância para a história nacional, como é o caso da Serva de Deus Nhá Chica. Esta é apenas uma entre tantas ações que serão realizadas neste ano.
Comenda
No mesmo dia será entregue uma Comenda em comemoração aos 200 anos de Batismo de Nhá Chica. Dezenas de pessoas entre religiosos, leigos, autoridades civis e religiosas e benfeitores da Associação Nhá Chica serão homenageadas.

Quem foi Nhá Chica
O processo de beatificação da Serva de Deus está em fase final no Vaticano. Descendente de escrava, analfabeta e leiga, poderá ser a primeira Santa nascida no Brasil. Como não existe registro civil de sua data de nascimento, seu Batistério, preservado no Memorial em Baependi (MG), sob a tutela das Irmãs Franciscanas do Senhor há mais de meio século, tornou-se um documento fundamental.
O Batismo é também o fundamento de toda a vida cristã, a porta da vida no Espírito e também a porta de acesso aos demais sacramentos que visam conduzir a vida de uma pessoa à santidade, o que encontrou em Nhá Chica um bom termo. Portanto, o bicentenário de seu Batismo uma data especial.

Autoridades que poderão estar no evento:

Deputados Estaduais e Federais: Carlos Melles, Antonio Carlos Arantes, Odair Cunha,

Vice Governador Antônio Anastasia

Senador e Ministro Hélio Costa
Prefeitos da Região confirmados: Campanha, Caxambu, São Lourenço, Baependi, Passa Quatro,

Bispos das Dioceses de Uberaba, São João Del Rey, Campanha

Madre Geral da Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor para Província Brasil Bolívia : Madre Cristrina Alves Ribeiro



Colaboração: Juninho Moscca

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Presidente da Câmara de Caxambu, José Luiz F. Nogueira, designado pelo Ministro Hélio Costa para representá-lo para o recebimento de primeira Comenda "Nhá Chica" em Baependi


MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES
GABINETE DO MINISTRO
CERIMONIAL
Esplanada dos Ministérios - Bloco “R” Sala 816
CEP: 70044-900  Brasília - DF,   BRASIL
FAX


Para:
Reverenda Irmã Maria Aparecida Ribeiro


Cargo/Órgão:
Diretora da Associação Beneficente Nhá Chica


Fax:
(35) 3343-1661 


De:
Cerimonial



Ministério das Comunicações


Fones:
(61) 3311-6500/6118


Fax:
(61) 3311-6615


Estamos  transmitindo
1
Página, incluindo esta. Se não for bem recebido, favor informar.


M E N S A G E M







            Senhora Diretora,

            Incumbiu-nos o Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado das Comunicações, Senador Hélio Costa, de agradecer o convite para ser condecorado com a primeira comenda “Nhá Chica”, em Baependi - MG, a realizar-se no dia 26 de fevereiro do corrente ano, nessa Associação, e informar que, lamentavelmente, em virtude de compromissos inadiáveis assumidos anteriormente para a mesma data, não será possível o seu comparecimento.
            Em atenção ao convite e não podendo deixar de se fazer presente, o Ministro Hélio Costa designou o Excelentíssimo Senhor JOSÉ LUIZ FERNANDES NOGUEIRA, Presidente da Câmara Municipal de Caxambu, para representá-lo recebendo a referida comenda e ser portador de seu abraço a todos os participantes.
            Na certeza de que o evento alcançará o merecido êxito, em nome do Senhor Ministro, cumprimentamos Vossa Senhoria e demais idealizadores desse importante evento e formulamos votos de continuado sucesso.
            Por oportuno, solicitamos a gentileza dos organizadores em formular o registro da presença e da designação do Excelentíssimo Senhor José Luiz Fernandes Nogueira.
                       
Atenciosamente,


Cerimonial
Ministério Das Comunicações
 

O Retorno das Cartas Anônimas

O assunto da última quarta-feira em Caxambu foi a circulação de diversas cópias de uma carta anônima de quatro páginas, distribuidas sorrateiramente durante a madrugada por baixo das portas de casas e lojas.
Bem diferente de um protesto inofensivo e irreverente, como no caso dos cartazes anunciando a "missa de sétimo dia" para o Carnaval de Caxambu, a tal carta anônima distribuida ontem contém acusações e ofensas pessoais contra secretários e membros da atual administração, deixando evidente sua motivação política.
Obviamente, o emprego de tais métodos ilícitos constitui crime de calúnia e difamação e merece nosso veemente repúdio, exigindo ainda a apuração da identidade de seus autores por parte das autoridades competentes.
Vale lembrar que a circulação de cartas anônimas de idêntico teor não constitui nenhuma novidade em Caxambu, pois tais cartas já apareceram anteriormente, e continuam surgindo ocasionalmente com grandes intervalos de tempo, de preferência em anos eleitorais, fazendo pensar no impacto negativo que tais cartas possam produzir no eleitorado caxambuense.
Independentemente da indiscutível ilegalidade, e também da falta de legitimidade de tais cartas anônimas, é preciso observar atentamente a reação da população diante delas.  Teoricamente, o tipo de informação transmitido por este meio ilegítimo pode ser ignorado ou absorvido, dependendo proporcionalmente dos índices de satisfação ou de insatisfação dos eleitores naquele momento em relação ao poder público.
A aproximação das eleições de 2010 representa um novo desafio para a administração atual, justamente pela previsível  movimentação intensa das forças políticas que disputarão os votos dos caxambuenses. Neste sentido, torna-se indispensável a consolidação de uma postura sólida por parte do Poder Executivo Municipal, pois certamente sua atuação será questionada e discutida durante a campanha eleitoral que se aproxima.
De certa forma, o aparecimento precoce de mais uma carta anônima  pode ser interpretado como sinal de partida para a campanha eleitoral deste ano em Caxambu.

Fernando Victor

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Resposta da prefeitura de Caxambu ao convite para a "missa se sétimo dia" do Carnaval de Caxambu

"JÁ INVESTIGADO!!
JÁ DETECTADO  E DESCOBERTO PELO COMPETENDE COMANDANTE THAMER  DA  POLÍCIA MILITAR DE CAXAMBU, O MILIANTE!
JÁ SENDO PROCESSADO POR TODA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, TODOS OS FUNCIONÁRIOS, O MILIANTE PODERÁ PEGAR UNS 30 ANOS DE PRISÃO.
ABRAÇO FRATERNO
FERNANDINHO" (sic)

Recebemos o email acima, enviado pelo Assessor de Imprensa da Prefeitura de Caxambu, Fernandinho Levenhagem, em resposta à publicação do cartaz anônimo anunciando a "missa de sétimo dia" do carnaval de Caxambu.

 


 
 
 

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Carnaval de Caxambu - Missa de Sétimo Dia

Segundo a tradição de imprimir e colar cartazes pelas paredes da cidade para dar ciência sobre o falecimento de personalidades locais, surgiram hoje vários cartazes anunciando a "missa de sétimo dia" do Carnaval de Caxambu - um protesto gaiato e bem-humorado de quem esperava muito mais do carnaval 2010.
De fato, as modificações introduzidas no carnaval de Caxambu tiveram impactos negativos em muitos pontos - tanto pela queda de faturamento registrada por parte de alguns comerciantes, quanto pela frustração das expectativas de quem não conseguiu alugar imóveis, ou até mesmo pela redução da taxa de ocupação dos hotéis durante este período.
Como afirmamos anteriormente, a fama do carnaval de Caxambu cresceu de forma espontânea e desordenada, exigindo  organização profissional e planejamento condizentes com as proporções do evento. Mudou-se o formato do carnaval de Caxambu, mas o amadorismo, a improvisação e a falta de divulgação permaneceram os mesmos.
Esperamos que estes problemas crônicos não se repitam para o carnaval de 2011 - para que não aparecem novos convites para a "missa de um ano" do carnaval local.


Fernando Victor

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Madonna no camarote da Sapucaí

Olha só a  garrafinha  que está na mão dela...
Foto tirada no camarote dos desfiles das escolas de samba na Marquês de Sapucaí. 
http://colunas.quem.globo.com/files/2108/2010/02/FCO.jpg


sábado, 20 de fevereiro de 2010

Acaba Hoje o Horário de Verão

Após um período de 126 dias, termina hoje o horário brasileiro de verão 2009/2010. Como sempre, os números apresentados pelos governo mostrarão os mesmos resultados pífios de uma ridícula economia de energia, especialmente se comparados ao longo período de tempo de sua vigência. Mesmo assim, estes resultados serão festivamente comemorados pelos noticiários da grande mídia,  unânimes em festejar as "vantagens" conquistadas com tanto sacrifício por parte dos habitantes das regiões sul e sudeste - as mais populosas do país.
A idéia de se criar um horário diferenciado de verão foi originada nos EUA durante o Séc. XVIII, e adotado posteriormente pela Inglaterra, e em seguida pela Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial - com o objetivo de aproveitar melhor a iluminação solar no hemisfério norte.
Sendo o Brasil um país tropical, onde a iluminação solar é naturalmente prolongada no verão, a adoção de tais medidas serve apenas para prolongar ainda mais a jornada  de trabalho, transferindo-se o horário do calor mais intenso, com o sol a pino do meio dia, artificialmente para as 11h.
Milhões de brasileiros são obrigados a alterar seus relógios biológicos durante 126 dias de intenso calor do verão tropical, sob o duvidoso pretexto de "enonomizar energia", justamente quando os dias são mais longos e as noites mais curtas, e os reservatórios das hidrelétricas estão mais cheios durante a estação das chuvas. Então, para que tanto sacrifício, se não há riscos de faltar energia?
Na verdade, o governo brasileiro não investiu o que deveria, e continua não investindo, na ampliação da rede de transmissão de energia elétrica para acompanhar o crescimento da população e da indúitria.
Para quê gastar dinheiro com obras que ninguém vê, quando é possível sacrificar a população e continuar tocando o problema para a frente, sem gastar um precioso centavo dos cofres públicos?  Especialmente se o governo pode escorrer seus billhões por outros ralos, digamos, mais "interessantes", como comprar panetones,  contratar bons marqueteiros e financiar campanhas bilionárias pela mídia satisfeita e cooperante.
Ficamos assim então: eles fingem que governam, e nós fingimos que acreditamos.
Enquanto isso, o povo é quem paga o pato, e existe muita gente que até paga rindo e satisfeito. Não é difícil encontrar por aí pessoas que adoram o período do horário  de verão, e que até ficam tristes e demoram a se adaptar novamente ao relógio solar quando ele acaba.
Realmente, nossos políticos podem ser dar por satisfeitos por governar um povo tão dócil e feliz.

Fernando Victor

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Considerações Sobre o Carnaval 2010 em Caxambu

Durante nuitos anos, as quarta-feiras de cinzas em Caxambu ficaram marcadas pelo cenário deprimente deixado após a folia descontrolada. As ruas nas ruas do centro da cidade expunham as marcas da depedração, além de exalar os odores residuais provenientes da transformação do local em uma espécie de cloaca máxima a céu aberto - uma sequela desagradável, que perdurava no ambiente durante vários dias.
A transferência do palco destinado ao carnaval de rua para o "Espaço Folia", localizado a  dois quarteirões de distância, também teve o mérito de liberar o centro de Caxambu do jugo imposto pelo monopólio criado pela multidão concentrada  no cruzamento das principais artérias do centro urbano e turístico da cidade, paralizando todas as demais atividades e colocando a cidade na condição de refém do carnaval.
Quem esteve em Caxambu  durante o último carnaval pode assistir a cenas até então inimagináveis, como voltar a ver famílias, crianças e turistas desfrutando a liberdade de poder circular tranquilamente pelas ruas da cidade, além de poder optar por consumir tranquilamente no comércio local - que antes era constrangido a colocar barricadas em suas portas e trocar a venda de suas mercadorias originais por hot-dog, churrasquinnho e cerveja.
Por falar em aumento de consumo, colhemos informações de comerciantes locais sobre o aumento do faturamento, inclusive no setor de abastecimento - com o registro de um aumento de cerca de 20% sobre as vendas do ano passado. Logicamente, trata-se de uma conseqência da elevação  do padrão de visitantes alojados em casas e apartamentos - alterando-se o perfil do grupo que trazia os próprios mantimentos de casa, consumindo na cidade apenas latinhas  de cerveja, após esgotado o estoque trazido de fora.
Embora existam aspectos muito positivos, como o sucesso do "Carnaval da Saudade", o retorno dos desfiles das escolas de samba, e das melhorias realizadas no "Espaço Folia" ainda há muito que se pode melhorar em relação ao carnaval de Caxambu - que também teve seus pontos fracos. O amadorismo e a falta de planejamento ainda imperam na organização do evento, cronicamente obrigado a recorrer à improvisação, com a adoção de meias medidas e às correrias de última hora.
O carnaval de Caxambu mudou, mas faltou divulgação para informar a novidade aos turistas, além da antiga ausência do chamado Turismo Receptivo - deixando o visitante praticamente sem informações sobre as opções que a cidade lhe oferece. Ao turista que nunca esteve por aqui, resta apenas fazer suas descobertas ao acaso, ou confiar nas indicações dos moradores.
Improvisação e amadorismo também seguem inalterados na hora da contratação de bandas, palco, e estrutura para o carnaval, onde tudo é deixado para ser resolvido na última hora. Recebemos informações, ainda não confirmadas, que o carnaval 2010 teria custado cerca de R$ 300,000,00 ao município.
Esperamos que o gasto tenha sido bem menor - mas se a informação for confirmada, certamente o elevado custo pode ser atribuido ao açodamento e aos atropelos que acontecem quando se deixa tudo para a última hora. Não é de hoje que se diz que a pressa e a improvisação custam muito mais caro.
Enfim, esperamos que os erros e acertos do último carnaval sirvam para melhorar a realização dos próximos eventos em nossa cidade.

Fernando Victor

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Pág 01 - Fevereiro 2010

Pág 02

Pág 03

Pág 04

Pág 05

Pág 06

Pág 07