Palace Hotel - Caxambu

sábado, 31 de maio de 2014

Dois acidentes na mesma curva e no mesmo dia em São  Lourenço


As 7 da manhã duas mortes e duas crianças feridas e as 11:30 duas mulheres feridas, uma em estado grave. Este foi o saldo desta sexta feira na BR460.
Os acidentes aconteceram com intervalo de 4 horas. No primeiro acidente, um táxi se chocou com um ônibus e deixou 2 pessoas mortas e duas feridas. já às 11:30h  um carro ocupado por duas mulheres, que se dirigia para São Lourenço, se chocou com um caminhão Mercedes Benz que ia em sentido contrário. O choque entre os dois veículos foi na mesma curva do acidente anterior, o que leva a crer que o local ficou sujo com os detritos do primeiro acidente e um dos condutores perdeu o controle ao bater em algum desses detritos. Se não for isso, então existe no local algo fora de nossa compreensão.Como diz o dito popular: A BRUXA ESTÁ SOLTA.
As mulheres foram levadas para o hospital de São Lourenço por uma ambulância que passava no local. Quando os bambeiros chegaram elas já haviam sido removidas. O estado de saúde de uma delas é considerado grave.
O internauta Thiago Lourenço Maciel que passava no local publicou um vídeo no Youtube e fez o seguinte comentário: "Ta complicado esta rodovia passo todos os dias aqui pra ir pra escola e só eu sei o que eu vejo na estrada,mas acho que governo não ta preocupado com as estradas e sim com os os estádios porque vem ai a grande copa do mundo.E pra eles tanto faz assalto, estupro, acidentes porque o sistema é foda como disse o capitão Nascimento" 


Veja o vídeo do acidente 
Por Thiago Lourenço Maciel, via Youtube





Fonte: Jornal Polêmica
http://www.jornalpolemica.com/2014/05/dois-acidentes-na-mesma-curva-e-no.html


Plantão Policial - Caxambu

Rapaz é agredido por vingança

Na noite desta sexta feira, a Polícia Militar, registrou uma ocorrência no Pronto Socorro Municipal, onde deu entrada um jovem de 22 anos com corte na cabeça, lábio e teve um dente quebrado, vítima de agressão.

O rapaz caminhava pela Rua Vinte e Cinco de Dezembro, bairro Caxambu Velho, quando foi surpreendido por um rapaz que com um pedaço de madeira na mão passou a agredi-lo causando corte na cabeça, lábios e quebrando um de seus dentes.

Segundo a vítima o motivo das agressões seriam por conta de uma vingança devido a uma briga anterior entre ele e o irmão de seu agressor.

A PM realizou intenso rastreamento mas o autor não foi localizado.


Fonte: Portal 17 Reg. PM - MG
Conferência Municipal de Saúde
O Presidente do SINDISCAXA Júlio Tadeu participou na noite desta quinta feira da 6ª Conferência Municipal de Saúde, representando a classe dos servidores municipais. 
No evento, além de presença de autoridades estaduais e regionais, os grupos de trabalho discutiram a definição do Plano Municipal de Saúde para os próximos quatro anos.
A Conferência Municipal de Saúde é um espaço de participação da população na política pública de saúde municipal, propiciando um momento de reflexão e construção coletiva dos rumos que se pretende para o SUS no município. 

Fonte: Sindiscaxa

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Manifestação de trabalhadores em educação da rede estadual em Três Corações: escracho da secretária de estado da Educação Ana Lúcia Gazzola


Alguns registros de nossa manifestação em Três Corações, para recepcionar a senhora Ana Lucia Gazzola, a carrasca da educação mineira.







No momento da entrada da Gazzola no recinto, lembramos em alto e bom som os motivos para estarmos ali. Trabalhadores em educação da rede estadual em greve por piso, carreira, salário, concurso e solução para os efetivados da lei 100.


Manifestação de educadores em Três Corações




Fonte: Sind - UTE caxambu 
http://sindutecaxambu.blogspot.com.br/2014/05/alguns-registros-de-nossa-manifestacao.html
Em audiência, deputado Arantes sai em defesa
de produtores e consumidores de café


Como presidente da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Antônio Carlos Arantes (PSDB) coordenou, na quinta-feira (29/05/14), a audiência pública que debateu o Projeto de Lei 4.703/13. A proposta prevê a obrigatoriedade de que conste, nos rótulos das embalagens de café comercializado no Estado, informação sobre a espécie vegetal que compõe o produto.

Deputado ouve opiniões sobre o projeto e sai em defesa dos cafeicultores e consumidores 
O deputado destacou que é preciso “ensinar o brasileiro a beber café” e, dessa forma, será o fim do café de má qualidade. Nesse sentido, o parlamentar se mostrou favorável ao projeto de iniciativa do deputado Mário Henrique Caixa, desde que os custos não recaiam sobre os produtores e as indústrias. “Falta uma política de apoio e de proteção aos cafeicultores por parte do Governo Federal. O produtor faz a sua parte. As indústrias também fazem. Falta fiscalização do Governo Federal. O Brasil é o maior produtor do mundo de café e será, em breve, o maior consumidor do mundo de café. O Governo tem que cuidar de quem produz tanta riqueza para o País”, argumentou Arantes.

Os participantes da audiência não chegaram a um denominador comum sobre a validade da proposição. De um lado, estão os que acreditam que a norma contribuirá para a qualidade do café produzido; do outro, aqueles que afirmam que a legislação proposta, além de ser impossível de ser cumprida, traria enormes prejuízos ao setor.

Por isso o deputado propôs a continuação do debate numa outra audiência. “Vale a pena continuar a discussão que foi muito produtiva. Queremos que o consumidor tenha acesso ao melhor café. A ideia do projeto é referenciar o café produzido no Estado. A cafeicultura emprega mais de 1 milhão de pessoas em Minas e é um dos setores mais importantes da nossa economia, sem contar que o café é consumido por mais de 90% dos brasileiros. O consumidor precisa saber o que está comprando, mas nem as indústrias e nem os produtores, que já enfrentam tantas dificuldades, têm que pagar essa conta”, considerou Antônio Carlos.

O PL prevê, ainda, que nos rótulos conste a percentagem de PVA (grãos de café pretos, verdes e ardidos da espécie Coffea arabica) e que, no caso de se utilizarem grãos de plantas híbridas de diferentes espécies de café, especifique-se a respectiva participação percentual. A proposta estabelece, também, que a obrigatoriedade das informações no rótulo se aplique aos cafés torrados em grão, torrados moídos e solúveis comercializados em Minas Gerais.

Debate gerou controvérsia

Defensor do projeto, o representante da Associação Nacional das Regiões Produtoras de Café e Leite (Sincal), Armando Matielli, fez uma distinção entre as espécies Coffea abrangidas pela proposição. A Coffea arábica, de maior qualidade, é mais adocicada, tem menos cafeína e é a espécie mais apreciada no mundo. Já a Coffea canephora, variedade conhecida como robusta ou conillon, é mais amarga, possui o dobro de cafeína e um preço mais acessível.
Segundo Armando Matielli, os brasileiros consomem 20 milhões de sacas de café por ano, sendo 40% delas de café robusta. “O café brasileiro é de péssima qualidade. São blends, misturas com quantidades significativas de conillon, mais baratas e de qualidade baixa”, disse.

O representante da Sincal também salientou que mais de 98% da produção mineira é de café arábica e que os produtores são obrigados a adquirir o robusta para misturar e oferecer o produto a um preço competitivo. “No início, os maiores custos podem ser sentidos pelo mercado, mas a valorização do café irá melhorar a nossa situação no futuro”, comentou. Por fim, ele denunciou a presença de toxinas nos resíduos (PVAs) do café arábica que compõem muitos produtos comercializados.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Américo Takamitsu Sato, ponderou que a intenção do PL 4.703/13 é louvável, mas que a questão é mais complexa. Ele enumerou alguns pontos que, na sua opinião, precisam ser revistos.
Entre eles, a falta de tecnologia para verificar a variedade vegetal do café comercializado; os altos custos de se colocar esse tipo de informação nas embalagens, já que a composição é frequentemente alterada e muitos lotes de embalagens teriam que ser reconfeccionados; o gosto do brasileiro, que prefere um café mais forte, fruto da mistura do arábica com o robusta, o que torna desnecessário identificar os totalmente puros dos blens; e o fato de a discussão da presença de toxinas, não comprovadas, poder trazer questionamentos ao café brasileiro.

Diretor-executivo da Abic, Nathan Herszkowicz, acrescentou que a exigência de se rotular a presença de PVA é uma tentativa de inibir a presença desses grãos, o que traria um prejuízo de R$ 1 bilhão aos produtores. Ele ainda afirmou que acusar a presença de toxinas no café com PVA é irresponsabilidade. Além disso, garantiu que a Abic fiscaliza cerca de 75% do café comercializado no País e que os principais fatores observados pelos consumidores são o aroma e o preço.
O superintendente regional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcílio Magalhães, e o diretor da Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Faemg), João Roberto Puliti, fizeram coro quanto à impossibilidade de se verificar a percentagem de cada espécie de grãos e de PVA.

O presidente da Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé), Carlos Paulino da Costa, ainda levantou a questão de que, se aprovada, a norma estadual poderia acarretar concorrência desleal, uma vez que os produtores de outros Estados não teriam que seguir as mesmas diretrizes.

Em resposta a esse questionamento, o subsecretário de Estado de Agronegócio, Antônio Gama, afirmou que a norma se refere a qualquer tipo de café comercializado em Minas, e não aos produzidos no Estado, o que anularia qualquer possibilidade de concorrência desleal.
Sobre a inexequibilidade da fiscalização em relação ao percentual de espécies de grãos, Fernando Camargo, também representando a da Associação Nacional das Regiões Produtoras de Café e Leite (Sincal), afirmou que a Embrapa possui tecnologia para cumprir essa tarefa. “Por que só o café não pode ser rotulado?”, questionou.

Ana Karenina

Mega incompetência



Fotos compartilhadas por

Uma quinta-feira de mobilização


Foi um dia bastante intenso. O Sind-UTE/MG subsede Caxambu e o Comando Regional de Greve visitou várias escolas de Caxambu e São Lourenço. 

Começamos o dia na E.E. Domingos Gonçalves (o Polivalente) conversando com os professores e funcionários. Depois panfletamos junto aos funcionários da Superintendência Regional de Ensino (SRE) de Caxambu. No final da manhã fomos até São Lourenço e visitamos a E.E. Mario Junqueira para conversar com os professores da escola, e após o almoço panfletamos e conversamos com os professores que estavam em atividade de formação da SRE na cidade.


De volta para Caxambu, fomos para a E.E. Ruth Martins de Almeida e realizamos nova conversa com os colegas professores e funcionários. E para terminar o dia realizamos uma singela Assembleia Regional em Caxambu, finalizando com uma pequena reunião de organização da participação dos trabalhadores da cidade na manifestação em Três Corações.

Trabalho de base com professores em São Lourenço

Explicando os motivos da greve

Eurides, do Comando Regional de Greve, conversando com ASB's de Caxambu

Ao final da assembleia regional, organização da participação na manifestação de Três Corações

Fonte: Sind - UTE Caxambu e Região

quinta-feira, 29 de maio de 2014

ABNC: projeto pedagógico em plena atividade
O trabalho realizado pelas Irmãs Franciscanas do Senhor há 60 anos, atendendo crianças e adolescentes em risco de vulnerabilidade social, continua sendo realizado com a mesma excelência como sempre aconteceu ao longo de todo este tempo.
A dedicação de cada uma das religiosas envolvidas no projeto e que agora estão à frente da instituição é de dedicação integral, buscando ainda mais a excelência nas ações.

Para a obra social estão sendo destinados os maiores esforços de toda a equipe pedagógica, multidisciplinar, que dedica atenção especial a cada uma das crianças atendidas.
Ao longo de todo o dia as crianças são recebidas dentro do projeto pedagógico, onde recebem aulas de reforço escolar, música, informática, educação física, judô, atendimento psicológico e social, brinquedoteca, aulas de literatura entre outros. Depois seguem para a escola regular no município onde dão continuidade aos estudos. Uma nova etapa também está em andamento: cursos profissionalizantes para as adolescentes acolhidas, com o objetivo de oferecer mais oportunidades para o futuro de cada uma delas.

As crianças ainda recebem três refeições ao dia, preparadas com grande carinho na cozinha da instituição, proporcionando uma alimentação balanceada para suprir as necessidades diárias de cada uma delas. 
A missão da Congregação é contínua, contando sempre com o apoio de colaboradores contratados e especialmente escolhidos para a execução dos serviços e com a ajuda de centenas de benfeitores que sabem do valioso trabalho realizado, seguindo o exemplo da Bem Aventurada Francisca de Paula de Jesus, de sempre olhar pelos mais necessitados.
Fonte: Nhá Chica.org

Prefeitura aperta o cerco aos estacionamentos não regulamentados
A administração municipal alerta que tais atitudes são ilegais e os infratores serão autuados e a fiscalização fará o recolhimento dos objetos.

A Diretoria de Fiscalização e Regulação Urbana, através das gerências de Fiscalização de Posturas e de Trânsito e Transporte Público, está notificando os proprietários de estabelecimentos comerciais que fazem a demarcação, por conta própria, de vagas de estacionamento.
Alguns lojistas e hoteleiros têm o hábito de colocar em frente seus estabelecimentos comerciais diversos tipos de objetos para guardar vagas de estacionamento. Entre os objetos mais usados estão os cones, caixas, blocos de concreto, cadeiras e, até, sofás. Outros pintam de amarelo o meio fio de suas calçadas. A administração municipal alerta que tais atitudes são ilegais e os infratores serão autuados e a fiscalização fará o recolhimento dos objetos.
De acordo com a Diretoria de Fiscalização e Regulação Urbana, os estacionamentos regulamentados são os que possuem a sinalização vertical (placas), que só pode ser colocada pelo poder público. Somente a sinalização horizontal (faixas amarelas), sem placas de sinalização, não têm nenhuma validade.

Fonte: Prefeitura de São Lourenço
http://www.saolourenco.mg.gov.br/faces/view/noticialer.xhtml;jsessionid=8c9a40ef88d9b5fceaacddb5a162?id=260
Assembleia estadual de trabalhadores em educação de MG decide pela continuidade da greve

Na tarde dessa quarta-feira (28/05), os trabalhadores em educação da rede estadual de MG, de todas as regiões do estado, decidiram em assembleia geral a continuidade da greve, iniciada dia 21 do mesmo mês.

Durante a assembleia, foi realizada a avaliação do movimento grevista, que apesar de iniciar pequena, começou a tornar-se mais abrangente ao longo dos últimos dias. Também relembrou-se os motivos da greve, como forma da categoria pressionar o governo a abrir negociações com o Sind-UTE/MG. A campanha salarial educacional 2014 conta com extensa pauta. Entre as questões estão o descongelamento da carreira, o pagamento do Piso Nacional Profissional, a nomeação dos concursados e solução para os efetivados pela Lei 100/2007, considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e que atingiu cerca de 98 mil trabalhadores em educação. Demandas essas que atingem todos trabalhadores em educação, dos mais diferentes vínculos. Após, a categoria aprovou a continuidade do movimento, como também ações de intensificação.

Depois da assembleia, os professores, funcionários de escolas e de SRE's saíram em passeata pelas ruas centrais de Belo Horizonte até a Praça Sete, onde unificaram o ato com diversas outras categorias em greve (saúde, municipais de BH, etc.).

Trabalhadores em educação de Caxambu estiveram presentes desde a manhã, participando do conselho geral, da assembleia e da manifestação. Apesar de pequena, se fez presente. "Contudo, é preciso intensificar a participação da região de Caxambu nesses espaços, pois o verdadeiro e soberano espaço de deliberação democrática da categoria é a assembleia estadual. Além disso, a greve é o único instrumento hoje capaz de forçar o governo a uma negociação. Se a categoria não participar, estará aceitando as opressões e os ataques do governo contra si", afirmou o professor Cássio Diniz, diretor estadual do Sind-UTE/MG e coordenador da subsede Caxambu.

A próxima assembleia estadual será no dia 4 de junho. A subsede Caxambu e Região do sindicato conclama todos os trabalhadores em educação da rede estadual a participarem da caravana para Belo Horizonte nesse dia, como também a participarem da assembleia regional que ocorrerá nessa quinta-feira (29 de maio), às 17h30, na E.E. Ruth Martins de Almeida (Caxambu).


Bancada de Caxambu durante o Conselho Geral do Sind-UTE/MG


Bancada de Caxambu durante manifestação pelas ruas centrais de Belo Horizonte


Fonte: Sind - UTE Caxambu e Região

Lei da Copa começa a valer. Veja o que muda pelo Brasil

Exército e Força Nacional vão para a rua fazer com que regras não sejam desobedecidas

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Começou a valer na última quinta-feira (22), nas 12 cidades-sedes brasileiras, a Lei Copa do Mundo. As regras foram sancionadas pela presidente Dilma Rousseff em 2012 e entram em vigor só agora, a pouco menos de um mês para o Mundial.
Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Também nessa semana, os estádios que servirão para o Mundial, tanto nos jogos como em treinos, foram entregues a Fifa, que passará a adaptá-los em seu padrão.
Veja a seguir o que muda com a Lei da Copa e as arenas nas mãos da Fifa:

Os famosos vendedores ambulantes dos estádios brasileiros não poderão ficar próximos às arenas, tendo que trabalhar a uma distância de pelo menos 2km dos locais de jogos. Mesmo na Bahia, o famoso acarajé só poderá ser vendido por pessoas previamente credenciadas

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
(Foto: FERNANDO CALZZANI/Gazeta Press)

A Guarda Municipal ficará a serviço da Fifa. As prefeituras das cidades-sedes deixarão parte do contingente à disposição da entidade para fazer valer as regras da Lei da Copa

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil

As publicidades nas cidades que receberão jogos só poderá conter anunciantes oficiais da Fifa. Mesmo em paredes e cartazes, a uma distância entre 1 e 2 km dos estádios, só serão aceitas propagandas de produtos licenciados para a Copa...

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Foto: DJALMA VASSÃO/Gazeta Press

O mesmo vale para o comércio, que só poderá fazer promoções para produtos oficiais do Mundial. Os estabelecimentos que ficam próximos às terão que seguir à risca esses critérios

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Foto: 09.05.2014/Marcelo Sayão/EFE

Nos dias de jogos da Copa, os moradores das redondezas dos estádios receberão credenciais para poderem chegar a suas casas. O restante não poderá entrar em um raio marcado em torno dos locais a menos que tenham ingresso para a partida em questão

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil

As datas das partidas também, os Estados que receberão os jogos poderão optar por estabelecer feriados ou pontos facultativos

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMM

As sedes só poderão ter festas e eventos na rua se as organizações conseguirem aval da prefeitura da cidade. A Fifa pretende tomar conta dessas atividades durante a Copa

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Foto: Fernando Borba/R7

Os estudantes terão férias escolares especiais em 2014. Durante o período da Copa, eles devem folgar, mas cada cidade poderá decidir como fará com suas instituições

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil

Os bancos terão esquemas especiais para o mês da competição. Além dos feriados, as casas de câmbio também devem interferir no funcionamento deles

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil

A Força Nacional de Segurança, a Polícia Federal e o Exército vão para as ruas durante a Copa do Mundo. A ideia é aumentar o contingente para evitar manifestações violentas e descumprimento das leis

Lei da Copa comea a valer Veja o que muda pelo Brasil
Foto: Jonathan Campos/ Agência de Notícias Gazeta do Povo/ Estadão Conteúdo


Fonte: Jus Brasil

quarta-feira, 28 de maio de 2014

"Somos Caxambuense"



"Somos Caxambuense" é um projeto carinhoso e divertido de Tânia Sallum, que fotografa amigos, pessoas conhecidas e anônimas que passam pela padaria Caxambuense. O resultado, no entanto, é maior: eis um registro de memória da cidade para a própria cidade de Caxambu. Com criação e montagem de Fernando Niman, e texto de Roberta Nogueira Oliveira.

FeSBE - Caxambu 2014



ATENÇÃO! Últimas semanas para Envio de Resumos e Pagamento da Inscrição com valor diferenciado. Não deixe para a última hora

Acessibilidade

LEI No 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000.


Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm



Compartilhado por




Equipe de Handebol da ADHC, recebe convite para representar Caxambu na Copa independência do Brasil em Brasília - DF.


REBAIXAMENTO DO LAGO DE FURNAS TRAZ DANOS ECONÔMICOS E SOCIOAMBIENTAIS À REGIÃO DO SUL DE MINAS
Audiência em Brasília irá para debater redução das águas

Lago de Furnas - Foto: Lavras 24 Horas

Audiência Pública no dia 02 de junho de 2014 irá debater e buscar soluções em razão do anúncio de baixa sem precedentes do reservatório da UHE Mascarenhas de Moraes – “Usina de Peixoto”, localizada no Sudoeste de Minas Gerais”, bem como a situação dos outros reservatórios, será realizada no dia 03 de junho, em Brasília.

O Dep. Carlos Melles foi autor dos dois requerimentos para audiências nas Comissões de Meio Ambiente e de Minas e Energia – protocolados no dia 07 de maio e aprovados uma semana depois, disse que a reunião será realizada, às 14 horas, no Plenário 14 do Anexo II da Câmara dos Deputados.

De acordo com o requerimento para a audiência estão convidados o diretor geral do Operador Nacional do Sistema – ONS, Hermes Chipp; o presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto; o ministro das Minas e Energia, Edson Lobão; o diretor presidente de Furnas Centrais Elétricas, Flávio Decat de Moura; deputados estaduais de Minas, a superintendente regional de Saúde de Passos, Kátia Rita Gonçalves; os prefeitos municipais e vereadores de Delfinópolis, Cássia, Passos, Ibiraci, São João Batista do Glória e Claraval, além de serem convidados dirigentes de entidades como a Ameg, Alago, entre outras representações. 

Entenda o problema

Em ofício datado de 17/04/2014, assinado por Marcos Alves de Moraes (Centro de Serviços Compartilhados Monas Gerais/Furnas) e protocolado na Prefeitura Municipal de Delfinópolis no dia 29/04/2014, Furnas – integrante do sistema Eletrobras, “comunica” sem uma discussão aprofundada com lideranças e a população em geral, sobre a decisão de reduzir o nível do reservatório da UHE Mascarenhas de Moraes (Usina de Peixoto).
Pelo comunicado o reservatório será reduzido em até 13 metros (passando da cota máxima de 666,12 metros ao nível do mar, para 653,12 metros).

A “decisão” sem precedentes de Furnas causou de imediato forte indignação e preocupação, tanto nas lideranças municipais e parlamentares que representam a região, quanto no conjunto da população que vive e trabalha nos municípios banhados pelo referido reservatório, que é um bem público e vem sendo utilizado por Furnas.
Furnas responsabiliza diretamente o Operador Nacional de Sistema (ONS) pela decisão, já que o órgão é quem faz a gestão integrada dos reservatórios.

Prejuízos sociais e econômicos

Como exemplo, a medida imposta por Furnas sem um discussão, vai impactar diretamente:

1 - na a atividade turística – um grande alicerce econômico regional,

2 - na produção agropecuária que depende de irrigação, como é o caso da banana, cuja terceiro maior pólo produtor está nesta região,

3 - na piscicultura – que tem milhares de trabalhadores e está prestes a inaugurar um frigorífico,

4 - fora questões econômicas, a questão social é ainda mais preocupante, em razão do desemprego que a medida acarretará nas diversas áreas, e sobretudo a saúde pública, que terá danos muito significativos em virtude da baixa da represa e o esgoto correndo a céu aberto,

5 - outro ponto a ser considerado diz respeito ao enorme prejuízo com o transporte intermunicipal, grande parte realizado por balsas, que não terão leito para tal atividade.

6 - é importante destacar que, o exemplo de Furnas em relação a UHE Mascarenhas de Moraes, pode estar acontecendo em outras regiões de Minas e do pais (caso por exemplo do reservatório de Furnas e o passivo com os municípios da Alago), sendo fundamental um ampla discussão para encontrar uma solução harmônica.

Fonte: Coordenadoria da Bacia do Rio Grande